JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

Por cima ou debaixo de água! Só não vale "meter água"...

Moderadores: Moderadores, Moderadores Sénior

JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 29 Out 2010, 13:42

A jangada formada por troncos de árvores é uma antiga embarcação do tipo uma balsa que ainda é utilizada por alguns pescadores nos estados do nordeste do Brasil.

Essa construção também está sendo postada no forum brasileiro http://www.panzermodel.com/forum no qual sou moderador de ferromodelismo na seguinte postagem,onde poderão ver mais alguns detalhes que não consigo postar aqui,como vídeo do youtube,etc.

http://www.panzermodel.com/Forum/index. ... ic=25570.0


Em primeiro lugar,um pouco da história dessa embarcação:

Em primeiro lugar um texto do mestre-folclorista Câmara Cascudo,publicado originalmente em "Documentário da Vida Rural 11 - Serviço de Informação Agrícola - 1957 (por sinal,meu ano de nascimento) e republicado em http://www.jangadabrasil.com.br/revista ... 97012a.asp

Breve história da jangada no Brasil
Luís da Câmara Cascudo

A jangada foi a primeira embarcação brasileira registrada por mão de europeu.

Domingo de Pascoela, 26 de abril de 1500, Pero Vaz de Caminha assistiu a primeira missa no ilhéu da Coroa Vermelha e reparou na curiosidade dos tupiniquins. E escreveu: "E alguns deles se metiam em almadias — duas ou três que ali tinham — as quais são feitas como as que eu já vi — somente são três traves, atadas entre si. E ali se metiam quatro ou cinco, ou esses que queriam, não se afastando quase nada da terra, senão enquanto podiam tomar pé".

Foi o grande cronista chamando a jangada por um nome bem diverso e desculpando-se da dessemelhança. Almadia é a canoa monóxila, estreita, comprida, feita duma única árvore, aproveitada em sua seção retilínea. Correspondia às igaratés e às ubás. Os portugueses conheciam-na em todo o longo do século XV, empurrada pelos braços negros dos africanos. Era, e bem podia ser, o pangaio, tone, lancha, piroga, escaler. Jangada é que não. Pero Vaz de Caminha denuncia, ele homem da cidade do Porto, não ter visto ainda as balsas atravessadoras de rios? Ou não as havia naquele último ano do século? Eram do Brasil tupi, as piperis ou igapebas.

Jangada, o português viu nas Índias, enfrentando sua esquadra, batendo-se pelo domínio marítimo. Mas o nome popularizou-se depois. Em 1500, não conheço menção. Vinha do dravidiano, da tâmil, tâmul ou timul, divulgado pelos malaios, janga, jangá, jangadan, a janga maior, igual as catamarãs dos mares índios.

Hans Staden, que ficou pelo litoral paulista não viu jangadas e é o primeiro autor estrangeiro a falar do Brasil em livro impresso. Jean de Léry habitando o Rio de Janeiro de março de 1557 a janeiro de 1558, fixou o piperi, como a via pular nas ondas da Guanabara, certains radeuax, quíls nomment piperis.

Eram feitas de cinco ou seis paus roliços, amarrados com cipós, guiadas avec un petit baston plat qui leur sertd´aviron. Remavam sentados, pernas estendidas, tendo a embarcação uma braça de longo por dois pés ou menos de largura. Apenas podia suster um único pescador. O raio de ação seria limitado. Mesmo assim, Jean de Léry propunha a piperi como excelente meio para atravessar rios, pântanos, lagos de águas paradas ou de correnteza diminuta, aos seus patrícios da doce terra de França.

Pero de Magalhães Gandavo teria escrito sua História da província Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil ao redor de 1570 ou antes. O livro impresso em Lisboa, 1576, foi o primeiro a denominar piperis pelo nome malaio que ficou. Chamou-as jangadas.

"Também se sustentam do muito marisco e peixes que vão pescar pela costa em jangadas, que são uns três ou quatro paus pegados nos outros e juntos de modo que ficam à maneira dos dedos da mão estendida, sobre os quais podem ir duas ou três pessoas ou mais se forem os paus, porque são mui leves e sofrem muito peso em cima d'água. Têm quatorze ou quinze palmos de comprimento, e de grossura o redor, ocuparam dois mais ou menos."

Ficou a jangada, desaparecendo piperis ou igapebas como as chamava Marcgrav, pondo ao pé o sinônimo lusitano, jangada.

No inimitável Gabriel Soares de Souza, jangada é corrente em 1587, indicando o pau com que eram fabricadas e o uso comum para "índios pescadores e mariscadores" que o fantástico ipupiara perseguia, faminto.

Ficaram pescando perto da costa, mariscando, suprindo os engenhos, confiando o emprego aos escravos brasileiros, os brasis. Não se aventurariam mar a fora sem possibilidade de direção segura e emprego do vento. Não há alusão quinhentista sobre vela em jangada ou qualquer embarcação aborígene.

Em novembro de 1635, uma jangada avançou mar a dentro, rompendo vaga, nevoeiro e distância, tentando comunicar-se com a esquadra de dom Lopo de Hozes e dom Rodrigo Lobo, que trazia reforços contra o holandês, dono da terra. Sem vela, bolina e remo de governo esta jangada não se atrevia a vencer as águas doidas do cabo de Santo Agostinho, para o alto, em direção deliberada e certa. Com um reminho era impossível.

Em desenho, o mais antigo é o de Marcgrav, na sua Brasiliae geographics & hydrographica tabula nova, etc. impressa em 1643. Registra uma jangadinha, com um só remador, tendo uma vela quadrada, pendendo duma carangueja. Nas jangadas, esta vela desapareceu, substituída pela latina, triangular, comum e única em nossos dias. Os indígenas batizaram-na de cu-tinga, língua branca, pela sugestão da forma.

Da pesca, sempre marítima, e transporte, continuou sendo veículo no século XVIII.

Durante esse século a popularidade não diminui. Ao passar de toda a guerra dos Mascates e suas repercussões, os dois lustros setecenntistas, é a jangada o meio de fácil escapula para conduzir conspiradores ou fugitivos para as praias distantes ou a Bahia. Para trazer víveres do Recife cercado pelos nobres de Olinda é a jangada fórmula incomparável, iludindo a vigilância dos barcos e das patrulhas e fortins espalhados ao longo da costa.

É o século do povoamento nordestino e decorrentemente a pescaria toma vulto e volumes essenciais. As jangadas enxameiam, acompanhando as piracemas, especialmente do pirabebe, o peixe-voador. Transportam sal para as salgas de carne secas ao sol. Entregam o peixe no curso dos rios maiores que se tornam navegáveis no tempo do inverno. É a fase em que nascem povoados de pescadores em sua maioria, olhando a pancada do mar, o arrais no alto do jirau, mirando a mancha negaceante dos cardumes. Também esta data centúria parte vultosa do plantio dos coqueirais que dariam à paisagem litorânea a moldura ornamental e linda.

É igualmente a jangada o transporte clandestino, silencioso, ideal para o contrabando. Contra o monopólio do sal nas salinas portuguesas, as jangadas nordestinas carregam o sal de Macau, de Areia Branca, de Aracati, e desaparecem, viajando de noite e passando a carga nas madrugadas aos portadores misteriosos e solícitos que o distribuíam na atividade de formigas incessantes. O sal era transportado em bruacas de couro cru. Uma canoa despertaria atenção fiscal repressora. Quem ia desconfiar da jangada humilde, inofensiva e facilmente aprisionada? Para o Nordeste, o monopólio do sal foi a mais inútil das leis portuguesas. Graças às jangadas.

O primeiro registro do século XIX é o de Henry Koster, olhando a costa de Pernambuco, rumo ao Recife, datado de 9 de dezembro de 1809. É registro descritivo completo, ao qual me reporto e dou fé, por denunciar a jangada com sua evolução terminada, vela triangular, bolina e remo de governo.

"Nada do que vimos neste dia excitou maior espanto que as jangadas vogando em todas as direções. São simples balsas, formadas de seis peças, duma espécie particular de madeira leve, ligadas ou encavilhadas juntamente, com uma grande vela latina, um remo que serve de leme, uma quilha que se faz passar entre as duas peças de pau; no centro, uma cadeira para o timoneiro e um longo bastão bifurcado, no qual suspendem o vaso que contém água e as provisões. O efeito que produzem estas balsas grosseiras é tanto maior e singular quanto não se percebem, mesmo a pequena distância, senão a vela e os dois homens que as dirigem. Singram mais próximos do vento que outra qualquer espécie de embarcação."

Os aperfeiçoamentos, Koster fixou naquele final de 1809: a large latine sail, a paddle used as a rudder e a sliding keel, vela, remo de governo e bolina, indispensáveis e atuais.

Não interessam os demais quadros da jangada, vista pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em junho de 1815, do francês Tollenare, em novembro 1816 e de Elisabeth Cary Agassiz, em abril de 1865.

A jangada já estava, desde 1809, contemporânea, com seus possíveis trezentos séculos de existência obstinada.

Com sua idade veneranda, todos os dias, de Alagoas ao Ceará, largam as jangadas para a batalha cotidiana, embarcação do neolítico, orçando transatlânticos e hidroaviões trovejantes.

Em todas as paragens onde passava sua silhueta, o barco de vela, com capacidade superior, afastou-a, matando-a. já não bóiam na Polinésia os "pae-pae" decorativos. No Nordeste do Brasil, a jangada continua imperturbável.

Ignorando-a, Thor Heyerdahl, o navegador do Kon-Tiki, escreveu: "Não existia nenhuma pessoa viva no nosso tempo que nos pudesse ministrar um curso prático avançado de como governar uma jangada indígena".

Quatro mil e duzentos jangadeiros responderiam ao convite...





Um segundo texto nos mostra o "vocabulário da jangada",o mesmo também foi encontrado em http://www.jangadabrasil.com.br/revista ... 97012b.asp ,vamos a ele:

Jangada


Pereira da Costa, Texto publicado em Vocabulário pernambucano


Espécie de balsa de 7 a 8 metros de comprimento sobre 2,60 de largura, feita de 6 paus de uma certa madeira mui leve, ligados entre si por meio de cavilhas de madeira rija. A jangada é principalmente destinada à pesca, desde o norte da Bahia até o Ceará. Também a emprega como meio de transporte de passageiros e, neste caso, são guarnecidas de um toldo e dão-lhe o nome de paquete. Os dois paus do centro são os meios; os dois imediatos, os bordos; e os dois últimos, as membiras.

Segundo Juvenal Galeno, de proa a popa, as suas partes acessórias são:

1. Banco de vela, que serve para sustentar o mastro;

2. Carlinga, tabuleta com furos embaixo do banco de vela e em que se prende o pé do mastro, mudando-o de um furo para outro, conforme a conveniência da ocasião;

3. Bolina, tábua que, entre os dois meios e junto ao banco de vela, serve para cortar as águas e evitar que a jangada descaia para sotavento;

4. Vela, uma grande e única vela cosida em uma corda junto ao mastro, o que se chama palombar a vela;

5. Ligeira corda presa à ponta do mastro e nos espeques para segurar aquela;

6. Retranca, vara que abre a vela;

7. Escota, corda amarrada na ponta da retranca e nos caçadores. Para encher a vela de vento, puxa-se a escota;

8. Caçadores, dois tornos pequenos da proa;

9. Espeques, dois tornos de 0,22 com uma travessa e no meio uma forquilha. Na forquilha cada pescador amarra uma corda e, quando é preciso, nela segura-se derreando o corpo para o mar e assim "agüentando a queda da jangada". Nos espeques e forquilha colocam-se o barril d'água, o tauaçu, a quimanga, a cuia de vela, a tapinambaba, o samburá e a bicheira;

10. Tauaçu, pedra furada, presa a uma corda e serve de âncora;

11. Quimanga, cabaça que guarda comida;

12. Cuia de vela, concha de pau com que se molha a vela;

13. Tapinambada, maçame de linhas com anzóis;

14. Samburá, cesto de boca apertada em que se guarda o peixe;

15. Bicheira, grande anzol preso a um cacete, com que se puxa o peixe pesado para cima da jangada, a fim de não quebrar a linha;

16. Banco do governo, banco à popa em que se assenta o mestre;

17. Enfim, machado e fêmea, dois calços à popa, onde se mete o remo, servindo este de leme;

Etim. É termo usual em Portugal, bem que a jangada de lá não tenha a aplicação que lhe dão no Brasil. Parece que este vocábulo é relativamente moderno na língua portuguesa. É certo que em 1587 já dele se serve Gabriel Soares; mas anteriormente, em 1500, Vaz de Caminha, descrevendo a jangada que vira em Porto Seguro, dá-lhe o nome de almadria. Em tupi tem a jangada o nome de igapeba, que se traduz em canoa chata.




(Em Cascudo, Luís da Câmara. Jangada; uma pesquisa etnográfica. Rio de Janeiro, Ed. Letras e Artes, 1964)






Mais um "vocabulário da jangada" publicado em http://www.jangadabrasil.com.br/marco/of70300a.htm


JANGADA BRASIL ,No.7 ,MARÇO 1999


O vocabulário da jangada



Mestre: Piloto da jangada e o primeiro pescador. Tem a responsabilidade da navegação, escolha dos pesqueiros, duração da tarefa. Leva o remo de governo na mão e a linha de corso amarrada na coxa, sentado no banco de governo ou de mestre. Tem direito até a quarenta e cinco porcento do pescado. É a autoridade real da jangada. Mestre é para mandar. Quem é mestre deve saber...


Proeiro: Segunda pessoa da jangada. É quem puxa o peixe na linha de corso. Substitui o mestre doente ou impossibilitado do comando. Fica à sua direita nos espeques e aí pesca. O pescado do proeiro é marcado por uma ponta da cauda cortada.


Bico de Proa: Terceiro pescador da jangada. Substitui o proeiro. Marca o peixe que lhe é destinado cortando as duas pontas da cauda.


Contra Bico: Quarto e último homem na jangada. Pesca na proa e marca o peixe cortando uma parte da cabeça.


Pau de Jangada: Jangadeira. Tiliácea, Apeiba tibourbou, Aubl. Gabriel Soares de Souza, em 1587, foi o primeiro a descrever o pau de jangada: - "Apeiba é uma árvore comprida, muito direita, tem a casca muito verde e lisa, a qual árvore se corta de dois golpes de machado, por ser muito mole: cuja madeira é muito branca, e a que se esfola a casca muito bem; e é tão leve esta madeira, que traz um índio do mato as costas três paus destes de vinte e cinco palmos de comprido e da grossura da sua coxa, para fazer delas uma jangada para pescar no mar, à linha; as quais árvores se não dão senão em terra muito boa. "Apeiba", contração de a-pe-iba, significa "árvore de flutuar" e tibourbou semelhantemente "pau que flutua ou bubuia" (Pirajá da Silva, notas à Notícia do Brasil, 2º, 70). O pau de jangada é exportado do Pará e por Alagoas, vindo do município de São Miguel dos Campos, considerado o melhor "boeiro", que bóia e certas partidas cearenses são acusadas de "madeira alagada". Chamam-na ainda embira branca e pente de macaco.


Mastro: O único mastro da jangada é feito de gororoba, camassari ou conduru e mede de cinco a seis metros. São estas madeiras recomendadas pela resistência e flexibilidade. Durante a pescaria, largado o tauaçu ou a fateixa, enrola-se a vela no mastro, retirando-o do banco. Deitam-no apoiado no banco de vela e na forquilha dos espeques. A vela é uma influência estrangeira? Os portugueses não a encontraram no Brasil no século XVI. Havia no Pacífico, segundo Nordenskiold. Se desceu pelo Amazonas, vinda do Peru ou Equador, não deixou rasto. Deduzo, entretanto, que a vela já estava aplicada à jangada na quarta década do século XVII, no litoral do nordeste brasileiro.


Vela: As jangada usam uma vela única, triangular, latina de algodãozinho. Os indígenas tupis chamavam-na "língua branca", cu-tinga, pela sugestão de sua forma. O almirante Alves Câmara encontrou na Bahia, em 1888, jangadas com duas velas e dois mastros: uma quadrangular, maior, e outra pequena e triangular, num mastro de vezena inclinado para vante e escorado ou amarrado no aracambuz e esquepes atuais. O tamanho da vela é relativo à altura do mastro. Os mestres põem o mastro no solo e riscam a futura vela na areia, marcando o desenho com fios e cobrindo o espaço com faixas de pano que vai sendo cortado e cosido dentro das dimensões fixadas. O trabalho mais sério é "entralhar" ou "palombar" a vela. Consiste em cosê-la com fio encerado em cera de abelha, e que se chama "coberta", enfiado na agulha de palombar, à uma corda de macambira, carrapicho ou cabo de manilha, de três quartos. A corda, que se denomina "envergue", sofreu um processo de prova, exposta vinte e quatro horas ao sol, esticada entre os coqueiros e com um tauaçu pendente, para que não encolha, fazendo a vela ficar "sacuda", com sacos, com bolsos, diminuindo a superfície de exposição ao vento. A vela fica cosida com pontos de duas polegadas de distância de um ao outro. Depois de "entralhada" é levada para "envergar" no mastro. Referia-se a pôr a vela na verga que não existe nas jangadas. A parte superior da vela é a "testa" e o restante "corpo". Os vértices são "guinda", o superior; "punho", o mais saliente e "amura" ou "mura", o inferior. Os grandes mestres de jangada governavam olhando apenas a vibração do vento na "testa" da vela. O segredo da jangada corredeira está no entralho da vela. Os portugueses não encontraram o uso da vela nas embarcações indígenas brasileiras. No Pacífico, o piloto Bartolomé Ruiz viu, em 1526, nas águas do Equador, uma grande bolsa com vela quadrangular e já utilizando a bolina: Dos mástiles o palos gruesos, colocados en el centro del buque, sostenian una gran vela cuadrada de algodón, mientras que un grosero timón y una especie de quilla hecha com una tabla encajada entre los maderos facilitaba al marinero el que diese dirección a esta clase de buque, que seguia su curso sin la ayuda del remo. É a mais antiga menção. No Brasil, o primeiro registro gráfico é um desenho na Brasilae Geographica & Hydrographica Tabula Nova, etc de Jorge Marcgrav, 1643, num desenho. Vê-se uma pequeníssima jangada com um só negro pescador, usando a vela quadrangular, suspensa duma carangueja. Tenho a convicção do uso da vela nas jangadas, já em 1635, e possivelmente a bolina, como quilha móvel e o remo de governo. Sem a vela, como registraram os cronistas quinhentistas, a jangada apenas fazia a pesca próxima à costa. Arriscar-se ao mar aberto, com direção deliberada e domínio do vento só seria possível com aparelhagem que hoje conhecemos: vela, bolina e remo de governo. E há documentação destas viagens, em 1635. Resta apurar se nos veio do Pacífico, via Amazonas, onde não deixou vestígios, dando explicação à vela redonda da jangadinha de Marcgrave, em 1643, ou seria influência direta e imediata, e lógica das embarcações portuguesas, vindas de Portugal, e as construídas no Brasil sob a sua técnica.


Botar prá maré: Ir pescar.


Dar de vela: Voltar das pescaria. É a ordem de "largar", findando o trabalho.


Encalhar: Botar prá cima, arrastar a jangada para terra enxuta, fazendo-a deslizar em cima de rolos de coqueiro. É operação diária e sempre delicada e nem todos sabem encalhar com precisão e limpeza. Durante a noite o mestre avisa sua chegada soprando o búzio, pedindo o auxílio aos companheiros que encalharam anteriormente.


Búzio: Búzio era outrora empregado pelos jangadeiros, chamando os fregueses, anunciando peixe fresco quando as jangadas chegavam à praia. Continua usadissimo em quase todas as praias do Rio Grande do Norte para avisar a aproximação das jangadas ou canoas durante a noite. O som é prolongado e rouco atrai infalivelmente os pescadores que ajudam encalhar a jangada ou recebem encomendas ou recados trazidos. No Ceará, denominava-se atapu.

(CASCUDO, Luís da Câmara. Jangadeiros)






Por fim,mais pequeno texto que nos fala das dimensões e algumas características construtivas das jangadas,encontrado em http://www.soutomaior.eti.br/mario/paginas/dic_j.htm


JANGADA. A jangada é uma embarcação feita com paus roliços, de uma madeira especial mais conhecida por pau-de-jangada, usada em pescarias desde a colonização. No começo, as jangadas não tinham vela. Os tupis começaram usando uma vela em forma de triângulo que chamavam de cutinga, língua branca e chamavam as jangadas de itapaba, igapeba, piperi, candandu, catamarã e hoje são conhecidas como bote, burrinho, catre, paquete. As jangadas maiores são feitas com sete paus e as menores com cinco. Pero Vaz de Caminha foi a primeira pessoa que registrou a existência das jangadas entre os índios, na carta que mandou ao rei de Portugal, dando notícias da terra descoberta por Pedro Álvares Cabral. A jangada, no Nordeste, ainda é usada pelos pescadores. Nos açudes, as jangadas, sem velas, são feitas com troncos de bananeira. Os índios do Rio São Francisco faziam suas jangadas com junco de piripiri e os guaranis usavam o bambu. Geralmente a jangada nordestina menor tem 3 metros de comprimento por 80 cm de largura e a maior, a jangada grande, chega a medir de 8 a 9 metros de comprimento por até 2 metros de largura. Sua tripulação varia de acordo com o tamanho, de dois a quatro homens.




Ressalto que estes textos só foram encontrados bem depois da data que iniciei a construção de minha primeira jangada(1997).
As minhas pesquisas preliminares foram todas feitas em livros,enciclopédias,revistas antigas e por ai afora.Hoje com a Internet e o Google estamos no paraíso...


Algumas fotos de minha primeira jangada:

Imagem


Imagem


Imagem


Imagem


Imagem
Alterado pela última vez por franneto a 29 Out 2010, 17:11, no total de 1 vez.
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 29 Out 2010, 13:44

...CONTINUANDO...




Mas agora vamos lá tentar postar mais algumas imagens de como eram essa jangadas utilizadas pelos bravos pescadores nordestinos.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem[/img]

Nesta ultima imagem algumas notas e esboços que eu havia feito no início do projeto.Essas imagens e história que postei eu não as dispunha quando iniciei o projeto.Tempos sem internet e sem google,eram tempos duros esses...

O que eu dispunha como fonte de pesquisas eram,basicamente, recortes de revistas e jornais,como os que estão junto aos esboços e os que posto a seguir e que foram os que me permitiram construir aquele modelo de jangada 1:10 mostrado no início.

Imagem

Imagem

Imagem
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 29 Out 2010, 13:45

...CONTINUANDO...


Olá amigos,voltei com mais algumas images da jangada.

Primeiramente vamos ver as ferramentas "delicadas" que uso para dar o primeiro tratamento na madeira,ou seja,remover a casca e prepará-la para o uso:

Imagem


Imagem


Imagem


Depois disso os tronquinhos ficam assim:

Imagem


Imagem


Estando então prontos para serem selecionados e usados na montagem da jangada:

Imagem



Com esses tronquinhos fiz um teste de montagem diferente do que usei na jangada mostrada nas primeiras fotos publicadas.Tentei me aproximar um pouco da forma como os troncos eram unidos na construção da jangada real,ou seja,através da utilização de cavilhas unindo os troncos:

Imagem


Só que,ao contrário de unir os trncos 2 a 2,eu os uni através de uma cavilha passante entre toso os 7 tronquinhos.Isso porque se não fizesse desse modo não conseguiria nenhum alinhamento entre os tronquinhos.Isso poderá ser visto na sequencia de imagens a seguir:

Imagem

Por essa imagem já dá para imaginar a dificuldade que será alinhar os tronquinhos :idea:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem



E agora a "pequena" broca que utilizei para furar o conjunto de tronquinhos:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Podemos notar o que acontece devido ao mal alinhamento dos tronquinhos,mas vamos dar um jeito e contornar o problema.

Feito o furo,vamos colocar a cavilha e as cunhas:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Finalmente,os tronquinhos unidos:

Imagem

Imagem

Dando o acabamento no 'casco',cortando em 45º a traseira:

Imagem
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 29 Out 2010, 13:50

...CONTINUANDO...


Vão ai mais algumas imagens da jangada,depois de cortadas em chanfro a parte dianteira e a traseira da mesma:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem


e agora,de quebra,a imagem de algumas no estaleiro... -T- -SKM- -SKM- -SKM-


Imagem

Imagem

Como vocês pederam observar existem dois modelos menores,feitos de "4 paus" , abaixo a imagem de um deles com a mesa do mastro já colocada:

Imagem



Na imagens a seguir um detalhe da bolina e da mesa do mastro:

Imagem

Imagem


E vamos em frente...

Estou dando início à fabricação da vela,agora é que vou ter que virar costureiro - claro que no bom sentido -xXx- - para confeccioná-la,vamos aos primeiros passos:

1- juntar o mastro e a retranca para então fazer um molde para cortar o pano

Imagem

Imagem

Olha só o tamanho do mastro e da retranca

Imagem

Imagem

Imagem

Grandinhos né?

Vamos agora fazer o molde da vela em jornal:

Imagem

Imagem

O molde recortado

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Colocando o molde sobre o pano para riscar o contorno

Imagem

Cortando o pano

Imagem

Pano já cortado

Imagem

Imagem

Os próximos passos serão a inclusão de uma cordinha de sisal em todo o perímetro da vela,criando em cada um dos três angulos,um olhal para amarração e a costura da cordinha na vela.


Vela já costurada e decorada, encordoamento colocado e então...jangada terminada.

Lá vão as fotos:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem


Foi necessário prolongar a retranca do mastro:

Imagem

Imagem


Mais algumas fotos do "casco" e alguns detalhes:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem


A bolina

Imagem

Imagem


Imagem

Imagem



Agora a jangada terminada:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem


A bandeirinha "Tô de oio"

Imagem

Imagem


Espero que tenham apreciado e gostado da construção da jangada.Obrigado a todos que acompanharam.


Abraço,franneto 8) :mrgreen: 8)
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 29 Out 2010, 13:53

Mensagem repetida eliminada...

E aproveito para dar os parabéns pelo excelente passo a passo de construção! Muito instrutivo.

Um abraço,
Carlos
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por Antonio Sobral » 29 Out 2010, 15:24

Viva

Excelente tratado de construção de jangadas!

Obrigado pela partilha da envolvente histórica e das fotos da construção!
Um Abraço

António Sobral


Não preciso do Google. A minha mulher sabe sempre tudo :)
Avatar do utilizador
Antonio Sobral
Moderador Sénior
 
Mensagens: 11637
Idade: 53
Registado desde: 30 Nov 2005, 18:18
Localização: Oeiras
Medalhas: 32
3 GBs (1) 5 GBs (1) 10 GBs (1) GB 08 -20000 Léguas Submarinas (1) GB 09 - Helicopters in Action (1)
Nome real: António Sobral

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 29 Out 2010, 17:09

Eu é que agradeço suas palavras amigo Antonio Sobral.


Abraço,franneto :mrgreen:
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por Luís Dias » 29 Out 2010, 18:36

Uau!
Um tópico tão invulgar quanto interessante.
Valeu pela excelente lição e por ver um tipo de modelismo menos frequente. Nota 10x10x10! :)


Abraço,
Luís
Avatar do utilizador
Luís Dias
Administrador
 
Mensagens: 4471
Idade: 42
Registado desde: 08 Abr 2005, 12:40
Localização: Mafra
Medalhas: 2
GB 01 - Com 2 ou 3 Asas... (1) GB 06 - Asas PT-BR (1)
Nome real: Luís Dias

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 30 Out 2010, 00:13

Muito obrigado amigo Luís Dias, agradeço suas palavras.


Abraço,franneto
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por josé filipe » 30 Out 2010, 02:12

Olá amigo Franneto.
É bom ver os seus trabalhos por aqui, neste fórum, descreveu um tópico muito interessante, e que mereçe ser louvado pela sua arte e pela sua dedicação, é um prazer ler e reler de novo, este belo trabalho, que nos dá a conhecer uma parte da história, e onde se acaba por aprender, pormenores pouco conhecidos, por cá.
Gostei de ficar a conhecer toda a narrativa, que envolve o historial, muito bom, uma boa pesquisa, e as suas construções mostram com detalhe, todo o processo.
Obrigado pela sua partilha.
Despeço-me com amizade, até breve.
Um grande abraço. :D
josé filipe
 
Mensagens: 483
Registado desde: 16 Fev 2010, 01:01
Nome real: José Filipe

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 01 Nov 2010, 18:40

Obrigado amigo José Filipe. Dê uma olhada também lá no PMF (02 GB naval) que tem uns filminhos interessantes .


Abraço,franneto
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por SSANTOS » 18 Nov 2010, 13:30

Parabéns pelo excelente trabalho de pesquisa e claro na construçaõ
Serafim Santos
" as palavras têm a importância que lhes quisermos dar - autor desconhecido"
ImagemImagemImagem
SSANTOS
 
Mensagens: 1539
Idade: 65
Registado desde: 26 Nov 2008, 14:24
Localização: ermesinde
Medalhas: 12
3 GBs (1) 5 GBs (1) GB 28 - Veículos de Emergência (1) GB 29 -Night Fighting Aircraft (1) GB 30 - Flak! (1)

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 18 Nov 2010, 18:33

Obrigado ao amigo SSantos.

Abraço,franneto
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por José Paulo Brito » 18 Nov 2010, 19:03

Muito bom, Francisco!

Parabéns, não só pela construção em si, como igualmente pelo modo de a documentar e descrever.
O turista que visita o Nordeste do Brasil e vê e usa estas jangadas nas praias, não se apercebe de toda a técnica de construção que está nelas aplicada, talvez também devido à sua aparência bastante rústica.

Obrigado e um abraço,
José Paulo
Avatar do utilizador
José Paulo Brito
Moderador
 
Mensagens: 1725
Idade: 53
Registado desde: 26 Fev 2009, 01:09
Localização: Loulé

Re: JANGADA DE 7 PAUS - BRASIL - ESCALA 1:10

MensagemEscrita por franneto » 22 Nov 2010, 17:04

Realmente José Paulo, há toda uma história ancestral envolvida na produção das antigas jangadas de troncos.Atualmente, a balsa 'evoluiu' e é construida como um barco de madeira, porém, as técnicas de navegação com a mesma é igual.
Eu é que agradeço as tuas palavras.

Grande e fraterno abraço,franneto
O êxito consiste em alcançar o que se deseja, a felicidade, em desejar o que se alcança.(anônimo)
Avatar do utilizador
franneto
 
Mensagens: 29
Idade: 56
Registado desde: 13 Mar 2009, 19:05
Localização: São Paulo - Brasil
Nome real: Francisco C. Neto


Voltar a Modelismo de Navios e Embarcações

Quem está online

Utilizadores a consultar este fórum: Nenhum utilizador registado e um visitante